Estudo das Cores

A COR


“No momento, meu espírito está inteiramente tomado pelas leis das cores. Ah, se elas nos tivessem sido ensinadas em nossa juventude!”
Van Gogh


A cor não tem existência material: é apenas sensação produzida por certas organizações nervosas sob a ação da luz – mas precisamente, é a sensação provocada pela ação da luz sobre o órgão da visão.


Estímulos:
     Os estímulos que causam as sensações cromáticas estão divididos em dois grupos: os das cores-luz e o das cores-pigmento.

Cor-luz, ou luz colorida, é a radiação luminosa visível que tem como síntese aditiva a luz branca. Sua melhor expressão é a luz solar, por reunir de forma equilibrada todos os matizes da natureza.


Cor-pigmento é a substância material que, conforme sua natureza, absorve, refrata e reflete os raios luminosos, componentes da luz que se difunde sobre ela.
Comumente, chamamos de cores-pigmento as substâncias corantes que fazem parte do grupo das cores químicas.


Classificação das Cores :

Cor geriatriz ou primária é cada uma das três cores indecomponíveis que, misturadas em proporções variáveis, produzem todas as outras cores.


Cor secundária é a cor formada em equilíbrio por duas cores primárias.

Cor terciária é a intermediária entre uma cor secundária e qualquer uma das duas cores primárias que lhe dão origem.


Para os que trabalham com a cor-luz,
as primárias são:
vermelho, verde e azul-violetado.

e as secundárias:
amarelo, magenta e azul ciano.





Para o químico e todos que trabalham com substâncias
cor-pigmento opacas as primárias são:
o vermelho, o amarelo e o azul

e as secundárias são:
o laranja, o verde e o violeta.



Nas artes gráficas, pintura em aquarela e para todos que utilizam
a cor-pigmento transparente,
as primárias são:
o magenta,
o amarelo
e o ciano

e as secundárias são:
o vermelho,
o verde
e o azul escuro.


(DA COR À COR INEXISTENTE. Israel Pedrosa. Editora Universidade de Brasília – UNB)


As três dimensões da cor

A cor possui três dimensões: matiz, saturação e brilho.

Matiz: é a cor em si.

Saturação: é a pureza da cor, a proporção de cores primárias, secundárias ou de outras cores misturadas. A cor mais saturada é forte e de grande intensidade. A menos saturada é repousante e suave.





Brilho: é quando se refere ao claro e escuro.


Atualmente é possível "brincar " com a cor  através dos editores de foto disponíveis em diversos softwares e pela Internet.


Matiz e intensidade:



Outros:

    
     


    

A cor na pintura de Andy Warhol

Andy Warhol (Pittsburgh, 6 de agosto de 1928 — Nova Jersey, 22 de fevereiro de 1987), nos anos 1960 deu uma guinada na sua carreira de artista plástico passando a se utilizar dos motivos e conceitos da publicidade em suas obras, com o uso de cores fortes e brilhantes e tintas acrílicas. Reinventa a pop art com a reprodução mecânica e seus múltiplos serigráficos que apresentam temas do cotidiano e artigos de consumo, além de rostos de figuras conhecidas como Marilyn Monroe e Liz Taylor reproduzidos serialmente com variações de cores.
Marilyn. 1967.
Serigrafia sobre papel.
91,5 x 91,5 cm
Coleção particular

Liz Colorida em Primeira Fase, 1963.
Serigrafia e acrílico sobre tela
101,6 x 101,6 cm
Coleção particular

Auto-retrato, 1966.
Serigrafia e acrílico sobre tela
55,9 x 55,9 cm
Coleção Particular

Auto-retratos
Serigrafia e acrílico sobre tela.

Simbologia das Cores
As cores de acordo com sua composição possuem uma simbologia que varia de acordo com a cultura de cada povo. Algumas simbologias são universais.


VERMELHO
No Brasil a visão do vermelho está marcada pela fusão do gosto de vários grupos étnicos.
Em todos os países do mundo, o vermelho significa perigo e sinal fechado para o trânsito. Por sua capacidade de ser visto através da neblina, ele é usado como luz de alarme.
É a cor da pedra dos anéis de grau dos advogados.
Cor do fogo e do sangue, é a mais importante das cores para muitos povos, por ser a mais intimamente ligada ao princípio da vida.
Força, ímpeto, energia, decisão, alegria e triunfo são atribuídos ao vermelho.
O vermelho, fazendo lembrar a guerra, mas funcionando como símbolo de trégua e paz, compôs uma das bandeiras mais significativas do último século, a da Cruz Vermelha Internacional.


AMARELO
Entre os cristãos, o amarelo é a cor da eternidade e da fé. Une-se à pureza do branco, na bandeira do Vaticano. Em vários países simboliza o despeito e a traição. É também  o símbolo do desespero, por ser intenso, violento e agudo até a estridência.
O amarelo, representando o calor, a energia e a claridade, assume a primazia do lado ativo das cores.
O amarelo está ligado também à ideia de impaciência. No trânsito, ele significa sinal de espera.
É usado ainda como sinal de alarme sanitário, para indicar áreas contaminadas por doenças contagiosas.


AZUL
É a cor do infinito e dos mistérios da alma.
Um ambiente azul acalma e tranquiliza.
Cor da nobreza - sangue azul.
Pureza, justiça, lealdade, beleza, boa reputação e fidelidade.
O anel de grau do engenheiro é azul, simbolizando inteligência, raciocínio e possibilidade de construção de novos mundos.


VERDE
Acreditavam os antigos que o ar era verde.
A área verde na Bandeira Nacional traz em si a imagem das florestas do Brasil, fazendo assim lembrar a esperança.
Entre as pedras preciosas, a esmeralda.
Internacionalmente, identificou-se como grito de exlamação: Viva!, descarga emocional do homem motorizado diante so sinal verde.
O verde reúne as melhores condições para decoração de interiores. Seu poder tranquilizante é até sedativo, usado em ambientes de repouso.
O verde significa ainda, bosque, campos de verdura, esperança, civilidade, amor, honra, cortesia, amizade, domínio, obediência.


LARANJA
Cor quente por excelência, sintetiza as propriedades das cores que lhe dão origem. Em comparação com cores mais frias, parece avançar em direção ao observador. As áreas coloridas pelo laranja parecem maiores do que são na realidade.
A pedra jacinto, de coloração alaranjada, era considerada como símbolo de fidelidade.
Abandonando o significado que possa ter a aurora como nascimento de um novo dia, ele representa mutação, inconstância, instabilidade e hipocrisia.


VIOLETA
É o violeta a cor da temperança, reúne as qualidades das cores que lhe dão origem, simbolizando a lucidez, o equilíbrio entre o céu e a terra, os sentidos e o espírito, a paixão e a inteligência, o amor e a sabedoria.
Na Grécia, acreditava-se que a ametista pudesse neutralizar os efeitos da bebida, por isso o vinho era tomado em taças talhadas nesse material e usavam-se os mais variados adornos dessa pedra para evitar a embriaguez. A raís grega da qual se originou a palavra ametista simboliza sóbrio.
Em tons escuros, o violeta está ligado à ideia de saudade, ciúme, angústia e melancolia, tornando-se deprimente. Em tons claros, é alegre e aproxima-se da propriedades do rosa.


BRANCO
Morte, nascimento e ressurreição.
Nas primitivas populações agrárias e dedicadas ao pastoreio, o culto da cor branca se ligava intimamente ao sentido da pureza e princípios vitais vinculados à farinha e ao leite.
O branco é a cor da pureza, campo que não originou ainda uma cor definida, que é como uma promessa, a expectativa de um fato a se desenvolver.
Pureza, inocência, verdade, esperança e felicidade são atribuídos ao branco.


PRETO
Sombra e frio, em regiões tórridas como o Egito e outras partes do norte da África, foi considerado símbolo de fecundidade da terra.
Psicologicamente, encarna a profundeza da angústia infinita, em que o luto aparece como símbolo de perda irreparável.
Evocando o caos, o nada, o céu noturno, as trevas terrestres, o mal, a angústia, a tristeza, o inconsciente e a morte, o preto é símbolo maior da frustração e da impossibilidade.

(resumo do livro Da Cor à Cor Inexistente de Israel Pedrosa)

Você pesquisou outras simbologias diferentes?
Enriqueça a página postando sua pesquisa nos comentários. (Não esqueça de citar a fonte de pesquisa).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário